Boletim

Permanência

2005        2006

JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO JUNHO
JULHO AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO

MARÇO 2007

ATUALIZAÇÕES:

Apresentamos "Nosso Livro Digital": nova seção com livros gratuitos para o leitor. Destacamos "Do Liberalismo à Apostasia", de Mons. Lefebvre. Leitura indispensável para a compreensão do mundo moderno.

Revista Permanência - Conseqüências da Revolução Francesa, de Jean de Viguérie; A Infância Espiritual, alocução do papa Bento XV.

São Tomás de Aquino: Continuamos a publicar as Meditações: neste mês, textos para cada dia da Quaresma.

Gustavo Corção: novos textos: Rue du Bac, sobre a aparição de Nossa Senhora e A Semana dos Garis, um lírico relato da juventude do autor.

 

NOTÍCIAS E COMENTÁRIOS:

O genocídio da Vendéia

Pediram-lhes que renunciassem a sua Fé, roubaram-lhes o fruto do seu trabalho e, por fim, queriam enviar seus filhos à iníqua guerra. Foi o início da sublevação na Vendéia: armados contra as hostes revolucionárias, simples camponeses criaram o "exército católico monarquista" e arriscaram suas vidas em defesa de seu rei e seu Deus com bravura insuperável. Era tudo o que o governo não podia tolerar e, no dia 1 de Agosto de 1793, uma lei foi votada na Convenção onde se lia: "...A Vendéia deve se tornar um cemitério nacional". Dois meses depois, outra decisão determinava: "Exterminação total dos habitantes..."

Era o auge do Terror na Revolução Francesa. As colunas infernais marcharam e devastaram toda a região, não se popou mulher ou criança. Hoje conhecemos os meios utilizados: mutilação sexual, criação dos primeiros campos de extermínio da história moderna, primeiras cremações em fornos, afogamentos coletivos etc.  

Por muito tempo, o genocídio da Vendéia foi silenciado. Agora, porém, o silencio pode finalmente acabar: um projeto de lei foi recentemente apresentado (27/2/07) pedindo o reconhecimento oficial do genocídio vendeano.

Leia aqui o projeto de lei: http://www.genocide-vendeen.com/


Biografia de Mons. Lefebvre

Enquanto aguardamos a tradução portuguesa da biografia do "Arcebispo de ferro" escrita por Dom Tissier de Mallerais, podemos ler, no site brasileiro da Fraternidade, a "Pequena história de minha longa história": conferências autobiográficas do grande bispo.


 

 

Tempora mala sunt